Resenha: KOBELINSKI, Michel (Org.), Novas Sensibilidades na América Latina

Capa_n_S_baja resoluciónKOBELINSKI, Michel. (Org.). Novas Sensibilidades na América Latina: ensaios de história e literatura, Curitiba, Editora CRV, 2016, 186 p.
Por Denise Scolari Vieira, doutora em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora Adjunta da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Paraná –Brasil. Integrante do Grupo de Pesquisa Cultura e Sensibilidades (C&S, CNPq).

Michel Kobelinski, professor licenciado em geografia, realizou seus estudos de Mestrado e Doutorado em História. Desenvolveu trabalhos de investigação em História Moderna e Contemporânea. Em suas pesquisas recentes, nos termos do estudo pós-doutoral delineou a intersubjetividade para o pensar e sentir na história. Kobelinski tem organizado livros, artigos, conferências, minicursos numa formulação ampla e minuciosa, resultante de uma rede de interconexões intelectuais, pela qual concretiza seu trabalho acadêmico, reconhecido internacionalmente. Nesse processo complexo, de pensar a História, no âmbito das Sensibilidades, o autor mobiliza o pensamento sobre as condições materiais de existência, sobre a cultura, a memória, os afetos. Interesse que ele (com) partilha por meio de uma construção formal, em busca de novas práticas criativas, cuja materialização o leitor agora tem acesso em Novas Sensibilidades na América Latina: ensaios de história e literatura. O livro, publicado pela Editora CRV, apresenta-se pautado pelo esmero formal e anuncia a presença de renomados pesquisadores da História e da Literatura. Eis que o diálogo aparece potencializado pelo encontro, pelo deslocamento, pelas reformulações, vitalizado através da palavra, eloquente, perplexa, sagaz, amorosa. Percebe-se a experiência inédita desse percurso, demonstrada em cada capítulo. Esta articulação vem acompanhada de oito seções. Da introdução aos sete ensaios presentes na obra são abordados os vínculos entre a narrativa historiográfica e a narrativa literária, ambas reconhecidas, em seus afastamentos e aproximações, no que concerne ao estudo sobre os estatutos de verdade, ficcionalidade, bem como em suas funções socioculturais, quando se quer acentuar a leitura do passado, articulada às sensibilidades.

Kobelinski acentua a forma constituinte de um diálogo mobilizador de sensações, cujo acesso é franqueado ao leitor, através de elementos estimulantes anunciados na composição da obra, porque os ensaios desestabilizam aquelas sínteses da história oficial. O autor insta para a interlocução pesquisadores da área de História e de Letras, que, neste caso, falam sobre as transformações histórico-culturais na América Latina, entre os séculos XVIII e XXI. Kobelinski e seus convidados envolvem-se em percepções sensoriais para nomear a riqueza da História Cultural das Sensibilidades, porque a consideram um campo de pesquisa profuso, do qual, irradiam teorias e métodos de escolas historiográficas, que no decurso de vários desdobramentos, tem possibilitado, um novo olhar para novos objetos de estudo, novas fontes de pesquisa e, a valorização da relação entre história e literatura. Portanto, a rede de textos organizada e estruturada na obra torna-se parte de uma densa análise, especialmente influente para a ampliação do referencial teórico a respeito do conhecimento histórico e literário interconectados com as sensibilidades individuais e coletivas. Os ensaios, em sua extensão, centram-se na intersecção história-literatura-sensibilidades, neles os ritmos da vida cotidiana desenhados na moldura da racionalidade instrumental são desarticulados, a fim de intensificar as experiências subjetivas que haviam sido tão drasticamente desautorizadas. Essa característica também estimula o leitor, uma vez que, as reviravoltas sensoriais presentes no recorte temporal de análise oferecem um registro particularmente rico para a observação das múltiplas perspectivas advindas das maneiras de ser e sentir dos sujeitos do período estudado.

No capítulo um, o leitor é surpreendido pela intensa rede intersemiótica que o texto de Ramiro Zó inspira. O ensaio aciona “Un triángulo amoroso en nuestro continente: cultura, afecto y sensibilidad”, para identificar os contornos das teorias sobre as sensibilidades e a genealogia da virada afetiva. Porque, segundo Ramiro Zó mapeá-las significa preocupar-se pelo âmago do problema, pois ao conhecê-las será evidenciada a importância das emoções na vida pública, em suas múltiplas variantes. O pesquisador argentino emprega conceitos das teorias dos afetos, os relaciona à cultura e à literatura e reconhece a constituição desse instrumental interpretativo para o estudo dos “discursos culturais latino-americanos”. Ramiro Zó mobiliza, progressivamente, a estimulante urgência de pensar os conceitos e os seus limites. Ele levanta indagações sobre a significação do termo sensibilidade, em suas distinções através do tempo, especialmente na América Latina, e estabelece um cotejo entre as categorias sentimento e sensibilidade. Zó ao propor sua hipótese, lida com estímulos teóricos provenientes de distintos autores, entre eles, Ignacio Sánchez-Prado e Mabel Moraña, nas referências sobre emoções e afetos na literatura latino-americana, no que concerne à autoficção. Já, para aludir às premissas sensíveis e relacioná-las à cultura e à literatura, Zó estuda a tese do “homem sentimental” de Eva Ilouz e, quando expõe as proposições sobre as novas sensibilidades, vale-se dos estudos de Alejandro Llano, porque este defende a abertura de caminhos à memória e à imaginação, em sua preocupação pela vida e seu sentido. O leitor também recebe o destaque da abordagem de Raymond Williams, cujo conceito de estrutura de sentimento intensifica a interatividade de estruturas e símbolos e transforma-se em aporte teórico basilar, no estudo sobre as práticas culturais. Por último, Ramiro Zó destaca a semiótica greimasiana e barthesiana em sua relevância conceitual para a interpretação da “sensibilidade passional” dos discursos, o que intensifica a sua valiosa contribuição para atenuar a distância entre o conhecer e o sentir na cultura latino-americana.

No capítulo dois, “Escrever a história do tempo presente ou o império das emoções” Frédérique Langue reconhece a dimensão sensível e o aspecto conceitual do testemunho, segundo a autora, ambos são imprescindíveis à narrativa histórica, pois, se por um lado, aquele é um objeto tênue de interpretação, por outro, amplia-se em legitimidade e veracidade. A autora admite outra sutileza, subsumida aos instrumentos de elaboração e difusão de histórias oficiais e seus atores, por meio da manipulação política das emoções no mass media. Um desdobramento notável dessa prática é mencionado no estudo sobre a história venezuelana, sob o governo de Hugo Chávez Frías (1954-2013), quando é reconhecido “um passado que insiste em não passar”, pelo qual o regime chavista tem transformado a figura de Simón Bolívar e o culto histórico consensual em dogma político. A historiadora francesa, Frédérique Langue considera as emoções enquanto expressão sensível formulada por indivíduos ou grupos e, ao citar em seu ensaio a história passional, alude à valorização excessiva ou à negligência de testemunhos, porque, para a pesquisadora, as emoções podem ser realidade penhorável, o que significa que aquelas formulações oficiais de “história encarnada” forjam estruturas de dominação mantidas, por meio do culto à personalidade, com fins políticos.

No terceiro capítulo, no texto do pesquisador argentino Claudio Maíz, especializado em Literatura Hispano-Americana, “Da utopia ao desencanto: o herói na narrativa latinoamericana atual” se perfilam algumas nuances por meio das quais o leitor infere a respeito da transformação ou derrocada do herói no romance. Desde as conexões simbólicas entre política e cultura, no período republicano ilustrado na América Hispânica, da configuração do herói em aventura épica até a sua dissolução, na cena política de regimes ditatoriais, o ensaio de Claudio Maíz encontra-se entre a rearticulação e redemarcação dessas mudanças redesenhadas no campo literário latino-americano, pelas experiências advindas do desencanto. Por conseguinte, Maíz verifica, na ação gloriosa de personagens, um esforço contrário à trágica condição humana, quando aparecem em relatos marcados pelo contexto da Guerra Fria, entre 1960 e 1970. Assim, por meio de um movimento de destituição simbólica, seus poderes sobrenaturais são enfraquecidos, em consequência, é acionada a sua condição de perdedores. Essa transformação ocorrida em narrativas, nas Américas, em diferentes linguagens, é mencionada pelo pesquisador ao aludir a gêneros literários em desuso, como o romance épico, ou àqueles que surgem, tais como a novela policial, a nova novela sentimental, o livro áudio, a novela em blog, a novela em chat, a literatura hipertextual, etc. Observa-se assim que a pregnância de regimes ditatoriais e de guerras centro-americanas esmaeceu o anseio poético-literário. Na prática, a nova literatura, devido aos acontecimentos históricos e políticos, volta-se ao passado imaginado, inebriada de nostalgia e amedrontada em relação ao destino e ao porvir. Dessa situação, decorre o ânimo do herói, derrotado, exceto na narrativa cinematográfica, pois esta ainda é capaz de alentar uma heroicidade pretendida, argumenta Maíz. Esses traços são esboçados, através de uma análise rigorosa, pela qual o pesquisador concentra-se em relatos, que enfatizam o fracasso daqueles personagens, nas novas novelas hispano-americanas. É nessa perspectiva, cuja elaboração discursiva instigante, apresenta a dimensão emotiva da vida política, que o leitor se vê contemplado com um texto capaz de privilegiar a cena plural e simbólica das práticas sociais. Portanto, evidencia-se a interconexão entre razão e emoções para a compreensão não unicamente de conflitos sociais, mas também de relações entre ideologias e utopias, bem como, das paixões políticas.

No quarto capítulo, o investigador argentino, Matías Campoy, especialista em Literatura Hispanoamericana escreve sobre pulsões afetivas de vencedores e vencidos, no romance do escritor chileno Hernán Rivera Letelier. O ensaio intitulado “Memoria de la derrota: una nueva sensibilidad en la (re)escritura del pasado. Santa María de las Flores Negras, de Rivera Letelier” parte da imagem do passado enquanto uma construção coletiva e delineia a potência de um estatuto diferente para anunciar os acontecimentos. Campoy apresenta a literatura como perspectiva do discurso historiográfico e narra a derrota e a violência imposta aos submetidos. Nesse sentido, capta a dramática experiência, cujo ponto de partida se dá pela obra ficcional de Rivera Letelier. A complexidade não se esgota na admissão da relação entre história e literatura, mas na evocação de percepções, sentimentos, sensibilidades de espaços/tempos há muito silenciados, pois Campoy indicia ditos e não-ditos sobre o massacre de camponeses salitreiros ocorrido na escola de Santa María de Iquique, em 1907, no Chile. Portanto, há uma contestação de critérios estéticos absolutos e de proposições historiográficas dadas como verdades instituídas. Eis como o estudo de Matías Campoy erige os movimentos de dissolução de antigas estruturas dessas reflexões sobre a história e a literatura, para a figuração de sentido do passado. Ele o compreende enquanto construção pessoal e coletiva, capaz de forjar identidades, pois ela está estruturada na história, na cultura e na memória. Nesse sentido, é possível revisitá-lo, a fim de desestabilizar o discurso oficial, algo que o estudo do pesquisador denuncia quando mostra-nos a violência perpetrada, porque dá voz àqueles homens, mulheres, crianças que têm sido relegados ao esquecimento, por aquelas operações políticas e de construção de sentido amplamente difundidas, em sua pretensão de naturalizar uma única interpretação do passado. A pesquisa acurada de Campoy adverte o leitor atento sobre a aproximação entre a produção historiográfica, literária e política, porque em seu ensaio repercutem as vozes da discordância, que possibilitam reavaliar formulações identitárias bastante diferenciadas daquelas reiteradas vezes anunciadas como únicas.

No capítulo cinco, o pesquisador brasileiro Michel Kobelinski propõe uma reflexão acerca do profícuo levantamento de fontes, a partir de seu ensaio “La recepción y la extensión de la obra literaria de Bernardino de Saint-Pierre: Brasil y Colombia, siglos XVIII-XXI”. Kobelinski sistematiza uma análise primorosa sobre a relação entre história, literatura e sentimentos no romance Pablo y Virginia, de Saint Pierre e, posteriormente, observa a ressonância bernardina no romance inacabado María, de Jorge Isaacs. Para o investigador, as emoções também possuem funções cognoscitivas e se referem à estética do espectador e à metaestética da criação. Em Pablo y Virginia surge o vivido, por meio da afluência das ambiguidades, entre a inquietação e o espanto, nas quais as subjetividades se entregam à tristeza, à solidão ou à excepcionalidade da evasão sentimental, surpresas agradáveis, mas em duplo movimento, sempre distantes de sua estabilização. Os personagens e os espaços a eles conferidos acionam incerteza, o que os conduz à busca, na natureza e no divino, de novos vislumbres para a condição humana. Portanto, a narrativa expõe a filiação de Bernardin ao ideário filosófico do século XVIII ativado no traço oscilante de um longo percurso das subjetividades dilaceradas, ao tentarem afirmar-se na consecução de uma ordem social que não as submetessem à dominação. A desenvolta escrita de Kobelinski mostra, que no interior da linguagem de Saint- Pierre aparecem essas trocas desequilibradas, muitas vezes agônicas, devido ao procedimento de transformação em sacrifício apontado na descrição dos personagens e de suas experiências dramáticas. São estas mesmas cenas de profunda imbricação no universo pré-romântico, aparentemente incoerentes, que anunciam um repositório de costumes e de mudança nas sensibilidades, visibilizado habilmente no ensaio. As falas e os comportamentos mediados pelo prazer ou pela ruína ultrapassam a tranquilidade idílica e se convertem em debate estético e moral sobre indivíduos, estados e humanidade, razão pela qual, Bernardin de Saint-Pierre pergunta-se acerca da validade e da utilidade da história, reflete Kobelinski. O itinerário que leva às alusões a Pablo y Virginia ao Brasil e à Arcádia luso-brasileira, após o êxito obtido na Europa, configura-se por adaptações e modificações. O artigo evidencia as condições de produção e recepção da obra quando, sob o governo de D. João VI, desde 1808, durante a institucionalização da Imprensa Régia, foram disseminadas as letras e as artes. Os títulos “Pablo y Virginia: historia fundada en hechos traducida en vulgar” e “Choupana Indiana”, eram anunciadas entre as primeiras obras impressas no Brasil, em 1811. Também é relatada a marginalidade de textos científico-literários de Saint-Pierre nas Américas. Posteriormente, em seu ensaio, é apresentada a fluência dos ritmos afetivos na “cartografia sentimental” formulada pelo colombiano Jorge Isaacs, em María (1867). Nela também há uma trama amorosa, na qual são transpostos sentimentos ambivalentes, no cenário de domínio colonial, com desenlace trágico. Em María, Isaacs reporta-se ao ideal revolucionário e vislumbra, no auge do movimento romântico nas Américas, as polarizações inflamadas pela paixão e pelo sofrimento, que remetem à incerteza em relação ao porvir, aos ideais de amor, liberdade, solidão, felicidade, nessa obra, pela via política e emotiva, são concebidos os lugares de afeto. Ao sistematizar o encontro entre Literatura e História e suscitar novas perspectivas para o estudo sobre experiências vitais perturbadoras, destaca-se, no conjunto de temas, propiciados pela análise brilhante de Michel Kobelinski, um importante referencial teórico sobre a História, a Literatura e as Sensibilidades.

No capítulo seis, de autoria da historiadora brasileira, Eliane Deckmann Fleck, o texto “Um Apóstolo da Independência do Brasil: O projeto de Estado-Nação em O Jesuíta de José de Alencar” tem, como ponto de interconexão entre Literatura e História, a peça teatral de José de Alencar na qual, ante a explicitação política evidente e perturbadora, subsumida na voz narrativa, é esboçada a frustração, a derrota da pugna pela consolidação de uma ideia de Estado-Nação e do movimento independentista no Brasil. Eliane Fleck reconcilia-nos com a História das Sensibilidades, toda vez que alude aos delírios retóricos, às desenfreadas paixões, às cronologias emaranhadas, bem como, aos lugares de nossa memória coletiva cujos adornos e fulgurações, todavia seguem plenos de novas instâncias de significação. É muito provocativa a asserção da pesquisadora, pois ela acentua as flutuações desses jogos discursivos sutilmente demagógicos, marcados pelas tensões e contradições, cuja materialidade literária José de Alencar pode explicitar em O Jesuíta. No Brasil esquadrinhado em suas instancias afetivas, pelas quais projetos individuais obliterados por obstáculos advindos de contradições e pelo impasse político, surgem na obra de Alencar, personagens são mostrados em antagonismos. De um lado o personagem do ministro Marquês de Pombal, de outro, o Conde de Bobadela, governador do Rio de Janeiro, de outro, o conspirador, Samuel, o jesuíta. Envolta no movimento alusivo à celebração de 7 de setembro de 1861, escrita com o sentido solene e pensada para a atuação de João Caetano, no Teatro São Pedro de Alcântara, a peça de José de Alencar, obteve pouca repercussão na plateia fluminense. Talvez isso se devesse ao caráter “aparatoso e espetacular da peça”, mas o episódio deflagrador de tal animosidade mostra-se, no artigo de Eliane Fleck, mediante um estudo crítico, no qual, as relações sociais da época, fundam-se nesse entremeio de um mundo caótico. A historiadora leva em conta a prodigiosa inventividade de Alencar ao citar as passagens marcantes da peça teatral, pelas quais, os termos de filiação romântico/nacionalista habilitam o ritmo do impasse.
Eliane Fleck, técnica e esteticamente, apresenta gestos, sensibilidades, imagens, que potencializam os sentidos híbridos, deslocados, pois repertoria em O Jesuíta, de José de Alencar, algumas formas sensíveis que explodiram ou foram silenciadas, nos conflitos sociais, daquele período da história brasileira, em distintas potências tais como o tédio, o remorso, o desgosto, a dúvida, a fragilidade. Contudo, diferentemente do eixo discursivo predominante, Eliane enfatiza, que a voz poética, em O Jesuíta, propôs a prevalência do amor fraternal, no ideal da terra livre, que sonhara.
Dentro desse horizonte crítico, Eliane Fleck também delineia outras dimensões da conjuntura deflagrada pelo fracasso da estreia da peça de José de Alencar, acontecimento capaz de instaurar o debate entre José de Alencar e Joaquim Nabuco.
Essas referências envolvem linhas de força abertas, no final do séc. XIX e princípios do séc. XX, que levaram à cisão da elite política e intelectual brasileira. Dessa relação valorativa Alencar passou a ser entendido como um monarquista vinculado ao modelo social atrasado, razão pela qual, talvez, sua peça tenha sido rejeitada. A leitura de Eliane Cristina Deckmann Fleck torna possível a percepção de movimentos culturais circunscritos na complexidade das antíteses e dos paradoxos e convida à pesquisa de interesse histórico-literário, comparatista, em diálogo sempre aberto aos estudos das sensibilidades.

No sétimo capítulo, o historiador brasileiro Bruno Flávio Lontra Fagundes, em seu artigo intitulado “Viagens, Imagens e Sensibilidade Popular-Erudita: O sertão escrito e publicado na obra de Guimarães Rosa” evidencia a constituição do projeto estético daquele que é considerado, por amplo setor da crítica, “o maior escritor brasileiro do séc. XX”, mesmo sem ter uma obra literária abundante. O estudo de Bruno Fagundes recupera – mediante a análise dos livros publicados em 1956, Corpo de Baile em maio e, Grande Sertão: Veredas, em setembro- as condições de produção da obra de Guimarães Rosa, no momento decisivo da modernização econômica, social e cultural do Brasil. Os vínculos que estabelecem a investigação acentuam, nas duas publicações, a observação, não somente da escrita e das interconexões intelectuais entre autores e textos, mas, também, a perspectiva decisiva que a qualidade material da edição, bem como a importância da Livraria José Olympio Editora, desempenhou na consolidação do circuito de difusão da obra rosiana. Nesse sentido, ampliou-se o contexto de publicação e, aos escritos de grande qualidade linguística agregaram-se outras instâncias igualmente potencializadas pelo rigor artístico, advindas das artes plásticas, especificamente, desenho e pintura, ambas capazes de influir na consagração da obra de Guimarães Rosa. Tal característica permitiu que o texto literário sobre o sertão adquirisse o estatuto de “algo não só para ler, mas para ver”. Fagundes, ao mesmo tempo, expõe as circunstâncias, que explicitam o modo de criar da retórica rosiana,quando mostra a predileção do autor pela leitura de livros literários e daqueles de caráter geográfico, antropológico, histórico e sociológico, etnográfico e de folclore. Observa-se, no sertão de Rosa, uma construção imaginária, na qual confluem elaborações sobre a sociedade e a história brasileiras, advinda do “diálogo com homens e livros”. Marcadas por um olhar retrospectivo sobre a formação das subjetividades do povo brasileiro, as obras de Rosa, reconhecem a divisão do país entre o sertão e o litoral, tradição que não começou com ele. Guimarães Rosa, leitor incansável reuniu em seu acervo bibliográfico, livros sobre as populações rurais do Brasil, o hinterland, cujo caráter investigativo, afirma Fagundes, foi anunciado nas cartas enviadas a dois de seus principais correspondentes no sertão, seu pai e o amigo Pedro Moreira Barbosa. Nesse sentido, Bruno Fagundes acentua o caráter investigativo que levou Rosa a esboçar, mediante uma epistolografia, seu sertão sentimental.
Na obra ficcional rosiana, natureza e relações sociais adquiriram uma valoração simbólica, na qual se articulava uma mobilidade das fronteiras entre história, ficção e literatura. Bruno Fagundes constata que, de algum modo, a escrita de Rosa, impregnada de temas da vida brasileira e, urdida através do contato entre as diferenças, configurou, na esfera sensível, exemplos fascinantes de outras interpretações para o país. A estratégia narrativa adotada por Rosa reforçou o tratamento cuidadoso com as fontes advindas da biblioteca: os livros, as revistas ilustradas; das galerias de arte; do cinema, mas, sobretudo, confirmou a evocação amorosa advinda do material empírico que singularizou a sua criação literária. Portanto, Fagundes observa os movimentos realizados pelo autor e suas fontes, e do autor e seus leitores, nesse périplo, observa-se a exposição do debate que mobilizou o campo artístico-literário brasileiro ao longo do séc. XX. O historiador Bruno Fagundes põe ênfase em instâncias significativas do ambiente cultural brasileiro, precisamente no momento em que a leitura dos intérpretes do Brasil e a percepção do homem rural, pretendiam enunciar discursos vigentes, contudo, em Guimarães Rosa, as tradições populares, as excursões para dentro do Brasil foram pronunciadas, numa fronteira aberta a novas percepções.
Percebe-se, na tessitura textual de “Viagens, Imagens e Sensibilidade Popular-Erudita: O sertão escrito e publicado na obra de Guimarães Rosa” imagens plasmadoras de formas expressivas daquele material compilado que ressonou nos “livros de 1956”. O ensaio de Bruno Flavio Lontra Fagundes desenha uma expedição rumo à retomada da obra de João Guimarães Rosa. Observa-se uma reconstituição historiográfica-memorialística, no âmbito das sensibilidades, uma espécie de retorno àquelas “variadas formas de arte e saber” que estavam “relativizadas” na sociedade brasileira.

Dessa maneira, em Novas Sensibilidades na América Latina: ensaios de história e literatura observa-se um work-in-progress, no qual Michel Kobelinski e seus colaboradores compõem a expressão criativa de sua proposição fecunda, conectada ao vigor afetivo de seu empreendimento. Agora, o leitor tem acesso à vitalidade teórica explicitada entre a História, a Literatura e as Sensibilidades.