Resenha: KOBELINSKI, Michel (Org.), Novas Sensibilidades na América Latina

Capa_n_S_baja resoluciónKOBELINSKI, Michel. (Org.). Novas Sensibilidades na América Latina: ensaios de história e literatura, Curitiba, Editora CRV, 2016, 186 p.
Por Denise Scolari Vieira, doutora em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora Adjunta da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Paraná –Brasil. Integrante do Grupo de Pesquisa Cultura e Sensibilidades (C&S, CNPq).

Michel Kobelinski, professor licenciado em geografia, realizou seus estudos de Mestrado e Doutorado em História. Desenvolveu trabalhos de investigação em História Moderna e Contemporânea. Em suas pesquisas recentes, nos termos do estudo pós-doutoral delineou a intersubjetividade para o pensar e sentir na história. Kobelinski tem organizado livros, artigos, conferências, minicursos numa formulação ampla e minuciosa, resultante de uma rede de interconexões intelectuais, pela qual concretiza seu trabalho acadêmico, reconhecido internacionalmente. Nesse processo complexo, de pensar a História, no âmbito das Sensibilidades, o autor mobiliza o pensamento sobre as condições materiais de existência, sobre a cultura, a memória, os afetos. Interesse que ele (com) partilha por meio de uma construção formal, em busca de novas práticas criativas, cuja materialização o leitor agora tem acesso em Novas Sensibilidades na América Latina: ensaios de história e literatura. O livro, publicado pela Editora CRV, apresenta-se pautado pelo esmero formal e anuncia a presença de renomados pesquisadores da História e da Literatura. Eis que o diálogo aparece potencializado pelo encontro, pelo deslocamento, pelas reformulações, vitalizado através da palavra, eloquente, perplexa, sagaz, amorosa. Percebe-se a experiência inédita desse percurso, demonstrada em cada capítulo. Esta articulação vem acompanhada de oito seções. Da introdução aos sete ensaios presentes na obra são abordados os vínculos entre a narrativa historiográfica e a narrativa literária, ambas reconhecidas, em seus afastamentos e aproximações, no que concerne ao estudo sobre os estatutos de verdade, ficcionalidade, bem como em suas funções socioculturais, quando se quer acentuar a leitura do passado, articulada às sensibilidades. Continuar leyendo “Resenha: KOBELINSKI, Michel (Org.), Novas Sensibilidades na América Latina”