García Márquez desvela todos sus secretos. La Universidad de Texas digitaliza el archivo del Nobel colombiano …

García Márquez desvela todos sus secretos
La Universidad de Texas digitaliza el archivo del Nobel colombiano y pone a disposición de cualquier usuario de la Red decenas de miles de manuscritos, fotografías y otros documentos

Pablo Ximénez de Sandoval, El País, 13 DIC 2017.

El general en su laberinto. Séptima versión mecanografiada. Página 38. “(…) la prisa sin corazón del reloj hexagonal desbocado hacia pasado mañana a la una y doce minutos de su tarde final”. No, hexagonal, no. El reloj es octogonal. Y tampoco es la una y doce, sino la una y siete. Son correcciones a mano de Gabriel García Márquez sobre su propio manuscrito. Miles de páginas como esta llenaban el archivo personal del escritor que hace tres años, tras su muerte, compró la Universidad de Texas. Desde este lunes, las dudas más íntimas de García Márquez sobre sus propios textos son accesibles online para aficionados e investigadores.

El archivo digitalizado abarca más de 27.000 imágenes de papeles y fotografías (…)

Para seguir leyendo: https://elpais.com/cultura/2017/12/12/actualidad/1513102189_486543.html?id_externo_rsoc=TW_AM_CM

 

Resenha: KOBELINSKI, Michel (Org.), Novas Sensibilidades na América Latina

Capa_n_S_baja resoluciónKOBELINSKI, Michel. (Org.). Novas Sensibilidades na América Latina: ensaios de história e literatura, Curitiba, Editora CRV, 2016, 186 p.
Por Denise Scolari Vieira, doutora em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora Adjunta da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Paraná –Brasil. Integrante do Grupo de Pesquisa Cultura e Sensibilidades (C&S, CNPq).

Michel Kobelinski, professor licenciado em geografia, realizou seus estudos de Mestrado e Doutorado em História. Desenvolveu trabalhos de investigação em História Moderna e Contemporânea. Em suas pesquisas recentes, nos termos do estudo pós-doutoral delineou a intersubjetividade para o pensar e sentir na história. Kobelinski tem organizado livros, artigos, conferências, minicursos numa formulação ampla e minuciosa, resultante de uma rede de interconexões intelectuais, pela qual concretiza seu trabalho acadêmico, reconhecido internacionalmente. Nesse processo complexo, de pensar a História, no âmbito das Sensibilidades, o autor mobiliza o pensamento sobre as condições materiais de existência, sobre a cultura, a memória, os afetos. Interesse que ele (com) partilha por meio de uma construção formal, em busca de novas práticas criativas, cuja materialização o leitor agora tem acesso em Novas Sensibilidades na América Latina: ensaios de história e literatura. O livro, publicado pela Editora CRV, apresenta-se pautado pelo esmero formal e anuncia a presença de renomados pesquisadores da História e da Literatura. Eis que o diálogo aparece potencializado pelo encontro, pelo deslocamento, pelas reformulações, vitalizado através da palavra, eloquente, perplexa, sagaz, amorosa. Percebe-se a experiência inédita desse percurso, demonstrada em cada capítulo. Esta articulação vem acompanhada de oito seções. Da introdução aos sete ensaios presentes na obra são abordados os vínculos entre a narrativa historiográfica e a narrativa literária, ambas reconhecidas, em seus afastamentos e aproximações, no que concerne ao estudo sobre os estatutos de verdade, ficcionalidade, bem como em suas funções socioculturais, quando se quer acentuar a leitura do passado, articulada às sensibilidades. Continuar leyendo “Resenha: KOBELINSKI, Michel (Org.), Novas Sensibilidades na América Latina”