Ditadura não poupou asfalto nem favela, mostra estudo

Documentos analisado pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio) - Reprodução / APERJ
Documentos analisado pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio) – Reprodução / APERJ

Comunidades do Rio foram alvo do aparato da ditadura

Por Mariana Alvim, O Globo, 11/07/2015

RIO — Um documento do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de 9 de dezembro de 1964 registrou a incursão de uma “turma de policiais” à Favela do Esqueleto, no Maracanã. Alvo da operação, o plebiscito em que os moradores iriam se posicionar sobre a remoção de barracos planejada pelo governo de Carlos Lacerda foi proibido, e seu organizador, Etevaldo Justino de Oliveira, acabou preso.

Entre mais de 300 páginas de documentos analisadas pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio), em um grupo de estudos voltado para a repressão nas favelas cariocas, os pesquisadores consideram que este é um dos mais representativos das conclusões às quais estão se aproximando na fase final de trabalho.

Entre elas, está a noção de que a repressão militar foi intensa já nos primeiros anos de ditadura e extremamente capilarizada, chegando a qualquer área onde houvesse algum tipo de resistência.

Para seguir lendo: http://oglobo.globo.com/brasil/ditadura-nao-poupou-asfalto-nem-favela-mostra-estudo-16733945

Site da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio)

Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos

4d35abae9fb529ea97f4650f89563a6387c4f8ff
“O Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos é um projeto cultural motivado pela existência de um conjunto de verbetes produzido pela Delegacia de Ordem Social e Política de Pernambuco (DOPS/PE) entre os anos de 1934 e 1958. Trata-se de um arquivo dedicado, exclusivamente, à identificação e controle de indivíduos em trânsito pelo Estado, cuja ocupação profissional, na visão do extinto órgão policial, estava vinculada à área artística.

Para trazer à tona essa valiosa documentação, dar visibilidade ao seu conteúdo e possibilitar o acesso direto à maquinaria discursiva articulada pela DOPS/PE, O Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos, no segundo semestre de 2015, disponibilizará em um site todos os documentos correlatos ao conjunto de verbetes e diversos substratos da pesquisa.

Em seguida, será lançada uma convocatória para o desenvolvimento de propostas artísticas dedicadas à produção de narrativas em mídias digitais, inspiradas na livre releitura do conteúdo revelado pela pesquisa. Os produtos artísticos resultantes desta ação serão inseridos no site do projeto como parte de uma mostra coletiva de livre acesso. Posteriormente, palestras em São Paulo e no Recife com lançamento de catálogo impresso concluem a iniciativa.

Mas, até lá, através deste blog, você conhecerá uma seleção especialíssima de documentos produzidos pela DOPS/PE e de notícias publicadas no Diário da Manhã sobre um universo surpreendente. Um mundo habitado por bailarinas de salão e pugilistas, cantores de rádio e ilusionistas, acrobatas e cartomantes, dançarinos russos e artistas enciclopédicos!”

Para seguir: Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos