Ditadores brasileiros, cães de guarda do anticomunismo

O regime militar cogitou invadir o Uruguai para evitar uma vitória da esquerda
por Rodrigo Martins, Carta Capital29/07/2015

Sob o monitoramento dos Estados Unidos, a ditadura brasileira planejou invadir o Uruguai caso a coalizão de esquerda Frente Ampla saísse vitoriosa das eleições de 1971. Em telegrama datado de 24 de agosto daquele ano, o embaixador americano no Brasil, William Manning Rountree, informou às autoridades de seu país que os militares não iriam tolerar um governo socialista tão próximo da fronteira. “Se a Frente assumir o poder, o governo brasileiro consideraria de forma relevante uma intervenção militar direta, incluindo uma demonstração pública de poderio bélico.”

A correspondência integra um lote de 538 documentos secretos dos anos 70 que tiveram o sigilo desclassificado total ou parcialmente pelo governo de Barack Obama, em decorrência da recente visita de Dilma Rousseff aos EUA. A maioria dos papéis foi produzida pelo Departamento de Estado, especialmente pelas embaixadas e consulados no Brasil. São telegramas, memorandos e relatórios. O acervo revela que os americanos estavam muito bem informados sobre as mortes e graves violações aos direitos humanos nos porões da ditadura, mas optaram por esconder os pecados de seu principal aliado na luta contra os movimentos de esquerda no continente.

Para seguir lendo: http://www.cartacapital.com.br/revista/859/os-caes-de-guarda-do-anticomunismo-4802.html

Documentos do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América: http://www.arquivonacional.gov.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=2352&sid=40

Ditadura não poupou asfalto nem favela, mostra estudo

Documentos analisado pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio) - Reprodução / APERJ
Documentos analisado pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio) – Reprodução / APERJ

Comunidades do Rio foram alvo do aparato da ditadura

Por Mariana Alvim, O Globo, 11/07/2015

RIO — Um documento do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de 9 de dezembro de 1964 registrou a incursão de uma “turma de policiais” à Favela do Esqueleto, no Maracanã. Alvo da operação, o plebiscito em que os moradores iriam se posicionar sobre a remoção de barracos planejada pelo governo de Carlos Lacerda foi proibido, e seu organizador, Etevaldo Justino de Oliveira, acabou preso.

Entre mais de 300 páginas de documentos analisadas pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio), em um grupo de estudos voltado para a repressão nas favelas cariocas, os pesquisadores consideram que este é um dos mais representativos das conclusões às quais estão se aproximando na fase final de trabalho.

Entre elas, está a noção de que a repressão militar foi intensa já nos primeiros anos de ditadura e extremamente capilarizada, chegando a qualquer área onde houvesse algum tipo de resistência.

Para seguir lendo: http://oglobo.globo.com/brasil/ditadura-nao-poupou-asfalto-nem-favela-mostra-estudo-16733945

Site da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio)