“No Brasil, o Estado é demonizado e o mercado é o reino de todas as virtudes”

Jessé Souza
Jessé Souza

Presidente do Ipea, o sociólogo Jessé Souza questiona as bases do pensamento nacional

Por Rodolfo Borges, El País – Brasil, 22/11/2015

O sociólogo Jessé Souza lidera desde o início do ano, quando assumiu a presidência do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) – na esteira da polêmica eleitoral do atraso da divulgação de uma pesquisa sobre miséria –, um levantamento que se propõe a fazer uma “radiografia do Brasil contemporâneo”. A pesquisa, que deve começar a apresentar resultados em setembro do próximo ano, faz parte de um esforço geral do Ipea para compreender melhor quem é o brasileiro e colaborar para a avaliação de políticas públicas que pretendem melhorar a vida da população.

Na radiografia, os pesquisadores pretendem analisar a composição social do país para além dos índices econômicos, como costuma fazer o instituto, e levar em conta questões como “socialização e o capital cultural”, conceitos que Souza explora no livro A Tolice da Inteligência Brasileira, a ser lançado neste mês. Na obra, o sociólogo questiona conceitos basilares do pensamento brasileiro, como o patrimonialismo e o “homem cordial”, e diz que nossa ciência social está baseada em mitos infundados criados e promovidos por pensadores como Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda.

Pergunta. Em que pé está a radiografia que pretende “estabelecer uma nova divisão de classes no Brasil”?

Resposta. Pretendemos ter um apanhado geral em seis meses, fechado em março. Até setembro do próximo ano, já vamos entrar em questões concretas, ao avaliar programas específicos. Além do MEC [Ministério da Educação] e do MDS [Ministério do Desenvolvimento Social], também trabalhamos com a Secretaria da Juventude em São Paulo, com um estudo sobre o jovem da periferia. Mas a radiografia é apenas uma das nossas pesquisas. (…)

Para seguir lendo: http://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/10/politica/1447193346_169410.html

Cineteca de la U. de Chile difunde filmaciones inéditas de Neruda

Pablo Neruda

A 42 años de su muerte, ocurrida el 23 de septiembre de 1973, la filmoteca puso en línea seis grabaciones inéditas del Premio Nobel de Literatura, entre ellas de su funeral.

Por Javiera Guajardo, La Tercera, 23 de septiembre de 2015

Doce días después del Golpe de Estado, el 23 de septiembre de 1973, en la habitación 402 de la Clínica Santa María, murió el poeta Pablo Neruda, producto de un cáncer. Sus funerales se realizaron dos días más tarde, el 25, en un ambiente de dolor y temor por la situación política que vivía el país. El autor de Canto general no recibió homenajes que merecía por el valor de su obra, premiada con el Nobel de Literatura. De hecho, son pocas las imágenes que hay de su sepelio. Sin embargo, desde hoy es posible conocer ese momento gracias a una serie de filmaciones inéditas que la Cineteca de la Universidad de Chile acaba de poner en línea, en el portal www.cinetecavirtual.cl.

Colección Audiovisual Pablo Neruda es un compilado de imágenes que muestran diferentes episodios en la trayectoria del poeta, desde su visita a la Unión Soviética en 1949 hasta el día de su funeral. La recopilación se logró gracias a la donación de 700 rollos de cinta por parte de la empresa de televisión alemana SWR al Archivo Central Andrés Bello de la Universidad de Chile.

Entre los videos está un registro de 1967, posterior al debut de la obra Fulgor y Muerte de Joaquín Murieta en el Teatro Nacional, cuando Neruda abrió las puertas de su casa en Isla Negra para celebrar con todo el elenco, artistas e intelectuales. Grandes mesas repletas de comida, una torta de un metro de largo y todos con una copa de vino en la mano, es lo que se puede observar en la grabación del festejo. En el registro anónimo aparece el director de la obra, Pedro Orthous, los actores Sonia Mena, Tomás Vidiella y Tennynson Ferrada junto Matilde Urrutia y el propio Neruda.

Para seguir leyendo: http://www.latercera.com/noticia/cultura/2015/09/1453-648466-9-cineteca-de-la-u-de-chile-difunde-filmaciones-ineditas-de-neruda.shtml

Colección Pablo Neruda, Cineteca Virtual: http://www.cinetecavirtual.cl/pecategorias.php?cat=NER

Ditadores brasileiros, cães de guarda do anticomunismo

O regime militar cogitou invadir o Uruguai para evitar uma vitória da esquerda
por Rodrigo Martins, Carta Capital29/07/2015

Sob o monitoramento dos Estados Unidos, a ditadura brasileira planejou invadir o Uruguai caso a coalizão de esquerda Frente Ampla saísse vitoriosa das eleições de 1971. Em telegrama datado de 24 de agosto daquele ano, o embaixador americano no Brasil, William Manning Rountree, informou às autoridades de seu país que os militares não iriam tolerar um governo socialista tão próximo da fronteira. “Se a Frente assumir o poder, o governo brasileiro consideraria de forma relevante uma intervenção militar direta, incluindo uma demonstração pública de poderio bélico.”

A correspondência integra um lote de 538 documentos secretos dos anos 70 que tiveram o sigilo desclassificado total ou parcialmente pelo governo de Barack Obama, em decorrência da recente visita de Dilma Rousseff aos EUA. A maioria dos papéis foi produzida pelo Departamento de Estado, especialmente pelas embaixadas e consulados no Brasil. São telegramas, memorandos e relatórios. O acervo revela que os americanos estavam muito bem informados sobre as mortes e graves violações aos direitos humanos nos porões da ditadura, mas optaram por esconder os pecados de seu principal aliado na luta contra os movimentos de esquerda no continente.

Para seguir lendo: http://www.cartacapital.com.br/revista/859/os-caes-de-guarda-do-anticomunismo-4802.html

Documentos do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América: http://www.arquivonacional.gov.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=2352&sid=40

Ditadura não poupou asfalto nem favela, mostra estudo

Documentos analisado pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio) - Reprodução / APERJ
Documentos analisado pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio) – Reprodução / APERJ

Comunidades do Rio foram alvo do aparato da ditadura

Por Mariana Alvim, O Globo, 11/07/2015

RIO — Um documento do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de 9 de dezembro de 1964 registrou a incursão de uma “turma de policiais” à Favela do Esqueleto, no Maracanã. Alvo da operação, o plebiscito em que os moradores iriam se posicionar sobre a remoção de barracos planejada pelo governo de Carlos Lacerda foi proibido, e seu organizador, Etevaldo Justino de Oliveira, acabou preso.

Entre mais de 300 páginas de documentos analisadas pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio), em um grupo de estudos voltado para a repressão nas favelas cariocas, os pesquisadores consideram que este é um dos mais representativos das conclusões às quais estão se aproximando na fase final de trabalho.

Entre elas, está a noção de que a repressão militar foi intensa já nos primeiros anos de ditadura e extremamente capilarizada, chegando a qualquer área onde houvesse algum tipo de resistência.

Para seguir lendo: http://oglobo.globo.com/brasil/ditadura-nao-poupou-asfalto-nem-favela-mostra-estudo-16733945

Site da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio)

García Márquez: cinéfilo, cineclubista, crítico de cine y representante del primer archivo fílmico del país

Cine olympia_Gabo

Por Rito Alberto Torres Moya, subdirector técnico, FPFC, 02 Junio 2015

Los aportes del nobel colombiano Gabriel García Márquez (1927-2014) al cine nacional son amplios y diversos. En esta nota se le destaca como el iniciador de la crítica cinematográfica contemporánea en el país, porque de manera continua, con carácter formativo, escribió una columna semanal: «El cine en Bogotá, estrenos de la semana», desde febrero de 1954 hasta julio de 1955, en el diario El Espectador. Se traza una semblanza a partir de algunos de sus escritos como cineclubista y se pone de presente que gracias a su participación en el XI Congreso de la Federación Internacional de los Archivos Fílmicos, de 1955 en Varsovia, la Filmoteca Colombiana, primer archivo de cine en el país, logró ser aceptada como miembro activo. Se ha tomado como principal referencia su libro Vivir para contarla (Editorial Norma S. A. 2002) y la recopilación de Jacques Gilard Obra periodística. Vol. IV. Entre cachacos 2 (Editorial Oveja Negra, 1982)y los archivos del Cine Club de Colombia y de El Espectador, entre otra documentación consultada.

El niño cinéfilo

Como lo podemos corroborar en nuestra propia afición por ver películas, la cinefilia es una pasión que se adquiere en la infancia. En su niñez García Márquez atendía las historias y leyendas de una tradición oral que le narraban sus mayores, los abuelos y las tías, con quienes convivió hasta los nueve años, combinadas con la lectura y las ocasionales asistencias a la sala de cine.

Para seguir leyendo:  http://www.patrimoniofilmico.org.co/index.php/documentos-y-publicaciones/documentos/192-garcia-marquez-cinefilo-cineclubista-critico-de-cine-y-representante-del-primer-archivo-filmico-del-pais

Em livro, Daniela Arbex desmente suposto suicídio do guerrilheiro Milton Soares de Castro na ditadura

Cova no cemitério de Juiz de Fora onde estava enterrado Milton Soares de Castro, morto sob custódia dos militares na ditadura - Henrique Viard/Divulgação
Cova no cemitério de Juiz de Fora onde estava enterrado Milton Soares de Castro, morto sob custódia dos militares na ditadura – Henrique Viard/Divulgação
Membro do primeiro levante armado contra o regime, militante foi encontrado morto na Penitenciária de Linhares em Juiz de Fora.
Por Leornardo Cazes, O globo30/05/2015

RIO – Na página 212 do volume III do relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), divulgado no ano passado, aparece o retrato 3×4 de um jovem de cabelos pretos e rosto sério. Ele é Milton Soares de Castro, único civil a participar da guerrilha do Caparaó, na divisa dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, a primeira tentativa de levante armado contra a ditadura civil-militar brasileira. Castro foi preso no dia 1ª de abril de 1967, junto com outros sete companheiros, e levado para a Penitenciária de Linhares, em Juiz de Fora (MG). No dia 28 de abril, apareceu morto. Versão oficial: suicídio. Seu corpo sumiu. Milton Soares de Castro se tornou um desaparecido político. E é assim que o guerrilheiro é identificado no relatório final da CNV.

Contudo, desde 2002 a jornalista mineira Daniela Arbex vem reescrevendo as versões oficiais sobre a morte e o desaparecimento do militante político. Numa premiada série de reportagens publicada na “Tribuna de Minas”, de Juiz de Fora, ela relatou que o corpo de Castro estava enterrado na sepultura 312, quadra L, do cemitério municipal da cidade. Enterrado numa cova rasa, como se fosse um indigente. Depois de 35 anos, documentos da empresa funerária e da prefeitura comprovavam a localização do corpo. No entanto, como a família optou por não fazer a exumação, a CNV continuou a considerá-lo um desaparecido.

Para seguir lendo: http://oglobo.globo.com/cultura/livros/em-livro-daniela-arbex-desmente-suposto-suicidio-do-guerrilheiro-milton-soares-de-castro-na-ditadura-16303043

Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos

4d35abae9fb529ea97f4650f89563a6387c4f8ff
“O Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos é um projeto cultural motivado pela existência de um conjunto de verbetes produzido pela Delegacia de Ordem Social e Política de Pernambuco (DOPS/PE) entre os anos de 1934 e 1958. Trata-se de um arquivo dedicado, exclusivamente, à identificação e controle de indivíduos em trânsito pelo Estado, cuja ocupação profissional, na visão do extinto órgão policial, estava vinculada à área artística.

Para trazer à tona essa valiosa documentação, dar visibilidade ao seu conteúdo e possibilitar o acesso direto à maquinaria discursiva articulada pela DOPS/PE, O Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos, no segundo semestre de 2015, disponibilizará em um site todos os documentos correlatos ao conjunto de verbetes e diversos substratos da pesquisa.

Em seguida, será lançada uma convocatória para o desenvolvimento de propostas artísticas dedicadas à produção de narrativas em mídias digitais, inspiradas na livre releitura do conteúdo revelado pela pesquisa. Os produtos artísticos resultantes desta ação serão inseridos no site do projeto como parte de uma mostra coletiva de livre acesso. Posteriormente, palestras em São Paulo e no Recife com lançamento de catálogo impresso concluem a iniciativa.

Mas, até lá, através deste blog, você conhecerá uma seleção especialíssima de documentos produzidos pela DOPS/PE e de notícias publicadas no Diário da Manhã sobre um universo surpreendente. Um mundo habitado por bailarinas de salão e pugilistas, cantores de rádio e ilusionistas, acrobatas e cartomantes, dançarinos russos e artistas enciclopédicos!”

Para seguir: Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos