Ditadura não poupou asfalto nem favela, mostra estudo

Documentos analisado pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio) - Reprodução / APERJ
Documentos analisado pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio) – Reprodução / APERJ

Comunidades do Rio foram alvo do aparato da ditadura

Por Mariana Alvim, O Globo, 11/07/2015

RIO — Um documento do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de 9 de dezembro de 1964 registrou a incursão de uma “turma de policiais” à Favela do Esqueleto, no Maracanã. Alvo da operação, o plebiscito em que os moradores iriam se posicionar sobre a remoção de barracos planejada pelo governo de Carlos Lacerda foi proibido, e seu organizador, Etevaldo Justino de Oliveira, acabou preso.

Entre mais de 300 páginas de documentos analisadas pela Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio), em um grupo de estudos voltado para a repressão nas favelas cariocas, os pesquisadores consideram que este é um dos mais representativos das conclusões às quais estão se aproximando na fase final de trabalho.

Entre elas, está a noção de que a repressão militar foi intensa já nos primeiros anos de ditadura e extremamente capilarizada, chegando a qualquer área onde houvesse algum tipo de resistência.

Para seguir lendo: http://oglobo.globo.com/brasil/ditadura-nao-poupou-asfalto-nem-favela-mostra-estudo-16733945

Site da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio)