Em livro, Daniela Arbex desmente suposto suicídio do guerrilheiro Milton Soares de Castro na ditadura

Cova no cemitério de Juiz de Fora onde estava enterrado Milton Soares de Castro, morto sob custódia dos militares na ditadura - Henrique Viard/Divulgação
Cova no cemitério de Juiz de Fora onde estava enterrado Milton Soares de Castro, morto sob custódia dos militares na ditadura – Henrique Viard/Divulgação
Membro do primeiro levante armado contra o regime, militante foi encontrado morto na Penitenciária de Linhares em Juiz de Fora.
Por Leornardo Cazes, O globo30/05/2015

RIO – Na página 212 do volume III do relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), divulgado no ano passado, aparece o retrato 3×4 de um jovem de cabelos pretos e rosto sério. Ele é Milton Soares de Castro, único civil a participar da guerrilha do Caparaó, na divisa dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, a primeira tentativa de levante armado contra a ditadura civil-militar brasileira. Castro foi preso no dia 1ª de abril de 1967, junto com outros sete companheiros, e levado para a Penitenciária de Linhares, em Juiz de Fora (MG). No dia 28 de abril, apareceu morto. Versão oficial: suicídio. Seu corpo sumiu. Milton Soares de Castro se tornou um desaparecido político. E é assim que o guerrilheiro é identificado no relatório final da CNV.

Contudo, desde 2002 a jornalista mineira Daniela Arbex vem reescrevendo as versões oficiais sobre a morte e o desaparecimento do militante político. Numa premiada série de reportagens publicada na “Tribuna de Minas”, de Juiz de Fora, ela relatou que o corpo de Castro estava enterrado na sepultura 312, quadra L, do cemitério municipal da cidade. Enterrado numa cova rasa, como se fosse um indigente. Depois de 35 anos, documentos da empresa funerária e da prefeitura comprovavam a localização do corpo. No entanto, como a família optou por não fazer a exumação, a CNV continuou a considerá-lo um desaparecido.

Para seguir lendo: http://oglobo.globo.com/cultura/livros/em-livro-daniela-arbex-desmente-suposto-suicidio-do-guerrilheiro-milton-soares-de-castro-na-ditadura-16303043